25-27 octubre 2017
Dos Sedes: Aulario "José Luis Massera" / Aulario Área Social y Artística
UTC timezone
Están disponibles las plantillas para presentaciones orales y pósteres :: Cronograma Final Disponible
Inicio > Timetable > Session details > Contribution details

Contribution Presentación oral

Educación superior, política y sociedad

A pedagogia da história e das lutas sociais na consolidação das políticas de formação de professores sob a perspectiva da educação do campo no Brasil

Oradores

Autores principales

Contenido

O objetivo deste trabalho é refazer um resgate histórico dos movimentos sociais do campo na efetivação das Licenciaturas em Educação do Campo no Brasil. A luta pela terra foi realizada por conjuntos de ações e relações sociais e econômicas, essas influências denotam formas de organização e conteúdo de reivindicações por um projeto maior de Reforma Agrária, defendido pelos movimentos, por exemplos, Via Campesina e Movimento dos Sem Terra (MST). Nesse contexto – a educação voltada para a população do campo no Brasil –, por muitos anos, desconsiderou a diversidade inerente ao país, deixando à margem do processo de formação todos os que divergiam dos parâmetros culturais das elites e perpetuando um modelo excludente e antidemocrático de educação básica para o campo. Nessa dinâmica social e cultural, é de extrema importância temos a sensibilidade de pensar e nos questionarmos a formação de professores para o campo, pois captar a escola que está brotando no campo, é observar os conjuntos de ações, gestos e lutas sociais desse ambiente. A metodologia desta pesquisa foi uma pesquisa histórica (RÜSSE, 2007) a partir da Pedagogia do Movimento (CALDART, 2000), analisando a construção de uma formação pedagógica que tenham matrizes e ideologias do campo. Como resultados, todo o percurso dos Movimentos do campo e as concepções de educação foram sendo gestadas e, atualmente, essas concepções podem ser utilizadas como referência básica aos planos operacionais dos Estados e municípios em relação a uma política pública que atenda às necessidades da formação institucionalizadas dos militantes dos Movimentos. Exemplificando, uma das principais reivindicações para uma política pública voltada a Educação do Campo, é a da que o Estado não só assegure o direito à educação, mas também assegure a especificidade nos diferentes contextos das populações campesinas, reconhecendo principalmente, suas diferenças, seus costumes, suas crenças e as suas tradições próprias, previstas na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional brasileira (Lei 9394/96) (BRASIL, 1996). A educação do campo não deve ficar silenciada no currículo e os educadores devem se empenhar no desenvolvimento e exploração da cultura rural, o aprendizado das crianças e a convivência social terão muito mais êxito e as crianças terão mais prazer nas salas de aula, pois, estarão falando sua própria língua e aperfeiçoando seus conhecimentos, mantendo viva a sua história, seu modo de vida, sem abrir mão da qualidade do ensino e para isso, é necessário uma formação de professores que consolide tais práticas.

Palavras-chaves: Educação do Campo, Pedagogias do Movimento, Movimentos Sociais

Referências:

CALDART, Roseli Salete. (2000) Pedagogia do Movimento Sem Terra. 2. ed. São Paulo: Vozes; RÜSEN, Jörn. (2007). Reconstrução do Passado – Teoria da História II: Os princípios da pesquisa histórica. Brasília: Editora da UnB; BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. (1996). Lei 9394/96, institui a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: MEC;